O FIM – espero que não definitivo

Image

Caraca! Quanto tempo se passou desde o meu último post no blog, em 24 de janeiro de 2012. Tanta coisa mudou que nem sei se vai dar pra explicar tudo que aconteceu…

Recebi muitos comentários lindos – muitos MESMO – pedindo pra eu voltar (e fiquei me achando, viu?). Elogiando o blog, me deixando super orgulhosa, mas gente, é humanamente impossível conciliar o blog com um trabalho integral, de 40 horas semanais e muito cansativo. Ainda mais na vida agitada de Londres…eu tentei, não deu. Como o blog nunca me rendeu nem um tostão e a vida aqui em Londres é caríssima (e outra, sempre tive que me manter integralmente, viiix!) foi difícil. E não pensem que foi fácil abandonar esse lugar que, lógico, me dava muito mais prazer que meu trabalho na loja. Se dava…

Minha vida se transformou completamente desde que mudei pra cá. Vim pra ficar três meses, aumentei pra seis e cá estou eu, quase completando um ano de Londres. Terminei meu namoro quando decidi ficar, vi tudo dar uma virada bem intensa e cá estou eu, voltando aos trilhos e tentando achar um lugar bacana no mundinho profissional na capital inglesa. Já estou namorando novamente, passei por umas boas e nem tão boas coisas aqui mas, como dizem por aí: “Todo mundo vê as pingas que eu tomo mas nunca os tombos que eu levo…”. E levei uns bons. Mas levantei e espero estar cada vez mais forte. No matter what. Sempre amei essa cidade e continuo amando. Viver aqui é um sonho que, infelizmente, se tornou incompatível ao ato de blogar.

Sempre fui apaixonada nesse espaço. O carinho que tive desde o começo, as pessoas que o blog me trouxe, a experiência e a resposta de todo mundo sempre foi muito mais do que eu esperava. Mas o problema é que, como toda fase da vida, acho que minha fase de “blogueira por conta própria” chegou ao fim e, como o título do post diz, espero que esse fim seja a abertura pra novos começos e novas fases! Nada é definitivo…

Amo ter dividido um pouco da minha vida, das minhas ideias de moda e do meu senso fashion “baratéx” com vocês. Juro, não tem coisa que lembre com mais saudade do que os achados das leitoras, cada comentário novo,cada curtida no facebook e tudo de maravilhoso que sempre me aconteceu por causa do blog…ai ai! Que saudade!!!

Continuo com uma vida fashion baratíssima e indo muito nos brechós e lojas mais em conta daqui. 

E especialmente hoje decidi retornar com a página do Moda Possível no facebook! Vai ser uma forma de continuar dividindo com vocês um pouco de moda, achados baratinhos, dicas de lugares, de livros, produtinhos de beleza e vou postar até alguns textos mais pessoais (bota pessoal nisso!) que costumo escrever. 

Espero que me desculpem e acessem a página! De certa forma, o Moda Possível está de volta…pena que não na plataforma inicial. 

 

Beijos com muito muito amor.

Naiá 

2012 foi “o” ano

photo (37)

Me despeço de 2012 sorrindo. Olhando para trás e lembrando de tudo o que passou em um ano tão incrível. Quando eu tiver uns 80 anos vou lembrar do meu passado e, com certeza, 2012 terá sido um daqueles anos inesquecíveis e marcantes.

2012 foi o ano em que me tornei jornalista. Profissão até um pouco desvalorizada mas, gente, posso falar? Encho a boca pra dizer que sou jornalista, com diploma e tudo. Um sonho da vida me graduar no que sempre sonhei ser. Escrever, era isso. Era isso que fazia desde pequena e era isso que queria me tornar. Foi então que em 2012 peguei meu canudo – tão esperado – e agora assino como jornalista quando perguntam minha profissão – não sou mais ‘estudante’, ufa. Só isso já seria suficiente, mas…

o Moda Possível se ‘consolidou’ também em 2012. Criado no finzinho de 2011, foi neste ano que ele evoluiu e cresceu, apesar de agora andar paradinho. Espero que aos poucos voltemos ao ritmo de sempre, mas, enquanto isso, vou postando meus highlights da viagem no instagram e lá na página do blog no facebook. É também a realização de um sonho. De poder escrever o que eu gosto, de falar diretamente, sem firulas. E de mostrar o meu lado das coisas, um lado sem tanto glamour mas muito especial também…esse mundo dos brechós, das barganhas, de achar peças baratinhas e ficar toda contente. Consegui várias leitoras super especiais em 2012 que espero manter por muito tempo. Recebi elogios incríveis, uma ou outra crítica e guardo no coração cada palavra querida que vocês escreveram. Enfim, o Moda Possível é uma das coisas mais especiais da minha vida e espero que vocês continuem acompanhando. Obrigada pela paciência, mesmo. 

Foi em 2012 que me senti madura. A gente passa por uns percalços na vida e não sabe bem se é uma criança chorona ou se cresceu o suficiente. Neste ano posso falar que cresci. Não sei se o suficiente, mas com alegrias e uns tombinhos aprendi tanto…sou tão tão tão mais forte do que era há uns cinco ou seis anos atrás. Choro menos mas me emociono com muito mais facilidade. Vejo beleza nas coisas pequenas, coisa que antes era difícil. Mas a coisa mais importante que aprendi nos últimos anos é que devemos nos bastar. Gostar da nossa própria companhia. Saber fazer as coisas sem precisar de ninguém do lado. E isso não quer dizer viver numa ilha, isolado de tudo e todos. Amo minha família, temos um contato mais do que próximo. Amo meus amigos, estar na companhia das pessoas, rir…mas isso não quer dizer que eu não possa fazer outras coisas sozinha. Ao contrário do que parece, isso quer dizer que suas relações são feitas com bases mais maduras, não apenas pelo medo de ficar só. Você, ao mesmo tempo, se torna mais seletivo. E quer dizer que, em alguns momentos, podemos – e devemos – nos virar somente com a nossa própria companhia. Curtir um jantar sozinha. Uma noite de reflexão. Um cinema solo. Eu nunca – nunca mesmo – imaginei nem mesmo ir ao cinema sozinha. Achava o cúmulo da solidão. Mas ficar sozinha em casa é menos solidão que ir ao cinema, comer uma pipoca, dar risada com um filme bacana? Nunca, tampouco, imaginei fazer uma viagem sozinha e ainda mais vir morar sozinha em um país distante. Mas fiz e amei. E indico pra quem quer que for.Depois de viajar praticamente sozinha para a Argentina e, agora, estar há mais de dois meses em Londres tendo vindo sozinha, posso dizer que foram decisões certíssimas. Apesar de parecer mega solitário, é um exercício incrível de autoconhecimento e reflexão.

Uma das coisas que (ainda bem!) não mudaram foram meus amores. Continuei amando sem precedentes aquele conjunto de pessoas que me enchem o coração de alegria: meu (incrível) paizinho Carlos, minha (espetacular) mamita Gisele, minha maravilhosa irmã Mayra e meu amor lindo, André. Ah, sem esquecer da Babynha, minha pequena linda. Vocês são o motivo de tudo e me trazem toda a paz e segurança que eu preciso. Meus lindos, amo vocês.

E, por fim, em 2012 realizei o grande sonho da minha vida. Um sonho antigo, mas que chegou na hora perfeita para que eu pudesse aproveitá-lo ao máximo e crescer (muito!) a partir dele. Estou escrevendo diretamente de Londres e parece mentira viver aqui. A experiência é das mais ricas da minha vida, o crescimento profissional e pessoal é, sem dúvida, uma coisa excepcional e vou levar tudo que está acontecendo aqui pro resto da minha vida. EU ♥ LONDRES! E tô feliz demais aqui!

Para não esquecer e acabar incluindo uma lista de desejos como nos anos passados, em 2012 em vez de pedir venho agradecer. Pelas oportunidades, pelo crescimento, pela saúde e pela generosidade das pessoas que encontro por aí. Obrigada, sempre. 2012 foi um ano memorável e espero que 2013 seja tão especial quanto.

Um beijo enorme para todas vocês! Tenham um Natal maravilhoso, não se esqueçam do mais importante: o amor! Amem seus pais, avós, tios, primos, filhos, seus maridos/namorados, seus irmãos, seus bichinhos de estimação, seus amigos e todos ao seu redor. Tudo de mais lindo que existir. Não se esqueçam nunca de agradecer pelas coisas boas que aconteçam com vocês e sorrir. Sempre.

Naiá

Ps: Há algumas semanas minha irmã me ensinou uma ‘técnica’ bem interessante que consistia em anotar, ao fim de cada dia, três coisas boas que aconteceram. Gente, é o melhor exercício da vida. Porque é ruim aquela mania que a gente tem de fazer balanços negativos sempre, né? Acho muito bom filtrar só o positivo, só o que fez a gente feliz e tentar, mesmo em um dia ruim, achar momentos bacanas. Tentem, eu amo fazer isso todas as noites, antes de dormir. Me dá uma tranquilidade incrível antes de dormir e uma energia boa para o dia seguinte. Obrigada irmã linda pela dica, amo.

E como vim parar em Londres…

Opa, não sabia que a minha viagem para Londres e como cheguei aqui seriam razão de vários emails, comentários, perguntas…pois bem, decidi esclarecer algumas coisas pra não ficar confuso todo o processo até chegar na terra da rainha.

photo (36)

Pra começar, a viagem não estava programada há muito tempo, embora fizesse parte de um sonho antigo de vir morar aqui (como fez minha tia, mais de 20 anos atrás e minha irmã, há alguns anos…). A ideia era vir depois de formada e, assim que me graduei, comecei a pensar no assunto. Mas só decidi mesmo vir no começo de agosto, dois meses antes de chegar aqui. No começo eu ficaria seis meses mas decidi marcar a passagem para ficar quatro meses e depois pensar se ficaria mais…hoje, passados quase dois meses em Londres, acho quatro meses pouco…acho seis meses a um ano um período excelente em relação ao inglês e a vida em Londres, já que demora mais ou menos umas 6 semanas para completar a fase de adaptação.

Depois de decidido, foi a vez de comprar a passagem. Comprei dois meses antes e deu tempo pra deixar tudo arrumado, agendar a renovação do passaporte e comprar o que faltava. Na verdade, hoje vejo que não é preciso trazer muita coisa, mas aquela história que falam que é tudo MUITO barato em Londres não é bem verdade. Por quê? Primeiro que a libra é supervalorizada em relação ao real e cada ‘pound’ custa R$3,5. Pois é. Segundo que as lojas mais baratas – claro, a principal delas é a Primark – não é vendem produtos de extrema qualidade e não tem só coisa interessante… Amo comprar na Primark, vou toda semana mas certas coisas não dá. O que é bacana da loja são: lenços, cachecóis, luvas, gorros, meia calça em geral, pijamas, cama, mesa e banho, regatinhas básicas, lingeries, alguns acessórios. De resto, como sapatos, casacos e quando queremos roupas mais ‘bem feitas’, lá não é o melhor lugar para comprar pelo acabamento e qualidade, que não são de primeira. Mas isso não quer dizer que lá não tenha.

E, se você quiser comprar alguma coisa mais ‘trendy’ e de melhor qualidade, que seja H&M (amor ♥) Topshop ou Zara. A H&M é incrível e os preços são os mais bacanas, cerca de 15 pounds mais ou menos. Já na Zara e Topshop, uma calça custa, por exemplo, 40 libras (quase 150 reais) o que não é um preço nada camarada se comparado aos brasileiros, né? Enfim, quando vierem, se liguem nisso! Ah, aqui maquiagem tem preço bacana também, vale dar uma passada na Boots e ver as promocões (tipo compre cois produtos e ganhe o terceiro ou algo do tipo).

Para quem não quer torrar seus lindos pounds e não tem condição de ficar aqui alguns meses só passeando – meu caso…- a solução é procurar um trabalho: aqui em Londres eles são bem rígidos com essa questão e só trabalham legalizados: europeus ou com visto de trabalho. Um tempinho atrás era permitido aos estudantes trabalhar meio período mas eles cortaram, portanto, não-legalizados e estudantes não podem trabalhar aqui – existem os ilegais, mas daí não indico de jeito nenhum. Só estou trabalhando porque tenho dupla cidadania, brasileira e italiana.

A questão do dinheiro também gerou muitas questões: quanto trazer? Pelas minhas contas, uma pessoa gasta, sem muito luxo, cozinhando e tudo mais- uns 900 pounds mensais – com casa, transporte, alimentação e um pouco de diversão. Portanto, se você estiver planejando vir e, como eu, vai ter que se bancar por algumas semanas sem receber, essa é a conta média a se fazer. A coisa muda se você for ficar, por exemplo, em um hostel, cuja diária chega aos 20 pounds por dia e não dá pra cozinhar, portanto, tudo sobe.

Já no segundo dia de Londres achei minha casa – bem localizada, com o quarto single como eu queria e confortável por cerca de 100 pounds semanais. Já o emprego, trabalho na Bershka, uma loja de roupas da mesma rede da famosa Zara, chamada Inditex e consegui, num golpe de sorte, logo no fim da primeira semana aqui.

E aí, deu pra esclarecer algumas coisas?

Beijos! Naiá

Riscando da wish list: Chelsea Boots

photo (34)

É, se existem alguns “hits de Londres”, com certeza as famosas Chelsea Boots estão entre eles. Opa, não sabe o que é? Relaxa porque eu também não sabia. Só via nos pezinhos das meninas mais estilosas pelas ruas e sabia que era meu tipo de bota preferido: cano curto, sem salto, de couro e preta. No Brasil, em vez do nome chiquetoso de Chelsea, já vou logo chamando de botinha do Chico Bento mesmo, porque elas parecem – e muito! – aquelas botinhas da minha infância.

Comprei há menos de uma semana na Urban Outfitters e já não largo mais. São confortáveis – esse saltinho pequeno é mais fácil de aguentar por horas do que um All Star. Foi a primeira coisa que ‘me dei’ de presente depois de receber o primeiro salário…custava 75 libras mas teve um desconto de 20% e saiu por 60. Não é barato, é o preço básico de uma bota no brasil (em média uns 200 reais) mas com certeza valeu a pena.. Ah…e a Urban Outfitters…que amor! Tô apaixonada pela loja e, se pudesse, torraria todo meu dinheirinho lá. Tem várias espalhadas por Londres mas, para minha (in)felicidade, vai abrir uma DO LADO do meu trabalho…ai meu poundinhos viu!

photo (35)Sei que muita gente já conhecia e, para os brasileiros, falar de bota no calor absurdo que tá fazendo aí é insanidade, né? Mas é uma dica boa para o próximo inverno, tenho certeza que as Chelsea vão bombar.

Beijo, Naiá

 

Bazar Moda Possível em Sampa!

601514_10200105209615394_1241869485_n

Oi meninas! Como estão? Neste sábado (08 de dezembro) vai rolar o Bazar Moda Possível em São Paulo! Pra quem quiser ver as peças de perto, poder experimentar e curtir uma tarde bacana, minha irmã estará vendendo nossas peças na casa dela, em um chá da tarde gostoso, cheio de achadinhos de segunda mão. Gostou?

O bazar vai rolar neste sábado, oito de dezembro, no Bairro de Pinheiros, em São Paulo, das 13h às 17h! Pra saber o endereço certinho, é preciso confirmar a presença pelo email brechopossivel@gmail.com

Para adiantar, os precinhos: tudo de R$10 a R$30. Tem camisa de seda, blazer, bolsas de couro, acessórios e muita coisa legal!

Só aceitaremos dinheiro e cheque, ok!?

Naiá

Look do dia: um ‘up’ no uniforme

Oi meninas! A vida aqui em Londres continua corrida…estou trabalhando bastante na Bershka e beeem cansada. Mas não dá pra culpar o cansaço na hora de me arrumar e decidi dar uma incrementada no uniforme de trabalho. O look é direto do espelho da loja pra vocês. Aqui geralmente nos montamos em camadas e várias peças acabam entrando no look inverno. O meu item preferido dos últimos dias é a nova peça que comprei como uniforme na Bershka: o jumper com spikes que é mega coringa e dá uma super diferença. Amando demais! Pra incrementar o look sóbrio, rolou uma sobreposição de uma meia mais compridinha usada acima da bota…tô adorando esse truque! Meu próximo passo vai ser comprar uma over knee e usar, veremos.

A verdade é que o look é composto, basicamente, por peças de brechó e da Primark. Pra quem não conhece, a Primark – a famoooosa! – é uma das loja mais populares de Londres e tem coisas mega baratas.Tem várias espalhadas pela cidade, vive lotada e é o point principal dos turistas…acredito que receba mais gente que os principais pontos turísticos daqui viu? hahaha

Tem camisas por 6 libras, colares por 4, bolsas por 10…uma LOUCURA. A parte ruim é que trabalho do lado da maior Primark de Londres e isso significa que todo tempo livre que tenho dou uma passadinha por lá. Em uma dessas passadinhas comprei essa bolsa…a cor é incrível, o modelo é ótimo – meio baú, com alça que mistura correntes e o material da própria bolsa – e o melhor: o tamanho é excelente. Tudo isso por 9 pounds, AMOR, AMOR! photo (28)

Versão um: o que usei durante o dia no trabalho. photo (29)

Versão dois: encapotada pra sair no frio insano que fez em Londres. photo (27)

photo (30)

Suéter: Bershka

Shorts: The Jeans Boutique (Londrina)

Meia calça: Primark (2 libras)

Bolsa: Primark (9 libras)

Casaco: Brechó British Heart Foundation (127 Kings Strett, no bairro de Hammersmith, em Londres) 7 libras!

Gorro: British Heart Foundation (3 libras)

Cachecol: Primark (4 libras)

Bota: Zara (Brasil)

No post dos uniformes comentaram que faltou uma ‘cor’. Realmente faltou mas gente, aqui, principalmente no inverno, o preto reina absoluto. Isso é bem diferente do Brasil, apesar de eu amar preto, mas aqui geralmente as pessoas usam looks quase completamente em preto variando os tecidos e texturas. A cor fica por conta de um batom, um acessório que dê uma alegrada mas, de fato, preto é muito coringa no inverno e vai com tudo. Tentei dar uma incrementada num look que, certamente, seria com uma meia calça opaca em vez da meia calça de poás. O que acharam? Gostaram?

Naiá

Os uniformes de trabalho de Londres

Às vezes me pego pensando que em muitas coisas aqui em Londres dei uma super sorte. Contei para vocês que estou trabalhando na Bershka, né? É uma loja bem “trendy” da mesma companhia da Zara (e de outras marcas mais conhecidas por aqui, como Massimo Dutti, Pull & Bear, Stradvarius e também a Zara Home, claro). Aqui na Europa a loja é conhecida mas acredito que tenha um estilo um pouco “too much” para o Brasil, sabe? Gosto das peças de lá mas prefiro o básico trendy da Zara em vez do “mais é mais” da Bershka. Mas enfim, acredito que dei sorte trabalhando lá porque, ao contrário da Zara, em que os funcionários usam terninhos nada modernos e bem sem graça, nós somos obrigados a usar as peças da loja para trabalhar. Para tal, ganhamos um vale de 200 libras pra usar na loja para comprar nosso uniforme…a regra principal é não escolher peças lisas ou de apenas uma cor e preferir os itens mais aparecidos, para chamar a atenção dos clientes da loja. Perfeito, né? Bom, ainda não gastei todo o meu limite – eles pedem pra gente não torrar tudo na primeira semana porque antes do Natal chegam peças novas – e gastei só metade. Decidi mostrar para vocês algumas peças que comprei e, assim que torrar tudo, termino de mostrar o que escolhi.

A peça preferida: calça de onça. Ela é estampada só na frente e eu adorei! Veste meeega bem mas não foi barata…40 libras.

Maxi colar por £10.

 

 

Camisa preta transparente com detalhes em dourado por 20 libras

 

 

Saia com tecido em textura floral por 16 libras

Por último a camiseta com a cruz em paetê (aqui só tem camiseta com cruz…impressionante!) por 20 pounds também.

O total ficou em 105 pounds e acho que fiz compras bacanas…minhas próximas aquisições acho que serão um vestido, um suéter e uma calça burgundy…veremos!

Gostaram das minhas escolhas? Quero a opinião de vocês hein?

Beijos londrinos,

Naiá